Um dia de impressão – Outubro de 2008

Um dia de impressão - outubro de 2008

Postagem feita pelo poeta Daniel Ballester, argentino, que morou em Florianópolis nos anos 80, e foi editado pela NoaNoa, relembrando a edição de seus livros pelo Cléber. (versão em português na sequência)


En este video realizado en la Editora Noa Noa el 7 de octubre de 2008, mientras Márcia Mathias hace rodar la prensa tipográfica, Cleber Teixeira prepara la chapa para imprimir. Gracias a èl mis primeros poemas escritos en Florianópolis fueron impresos en hermosos libros que no admiten superficialidades.
Querido Cleber, poeta, tipógrafo, editor, amigo de las palabras y del viento, suave nomenclatura, signo, cifra, muelle, mar.

Jorge Giles:
Mirad aquí:
Marcia hace rodar la dirección de los vientos de la barca, mientras Cleber repasa las cartas de navegación y Paul Gauguin retorna a sus antiguas islas y escribe Noa noa.
Pero no es Tahití la tierra prometida, sino unas islas de América del sur.
Un libro de poemas está dando a luz en medio de la tormenta y Dany baila sus dedos sobre una pianola apurando el día.
Así se hace la vida, compañero poeta. Así como una forja, una imprenta, un taller o una barca amarrada al corazón doliente de tu generación.

____________________

Neste vídeo realizado na Editora Noa Noa em 7 de outubro de 2008, enquanto Márcia Mathias desenrola a impressora tipográfica, Cleber Teixeira prepara a folha para impressão. Graças a ele meus primeiros poemas escritos em Florianópolis foram impressos em belos livros que não admitem superficialidades.
Caro Cleber, poeta, tipógrafo, editor, amigo das palavras e do vento, nomenclatura suave, signo, figura, cais, mar.

Joge Giles:
Olhe aqui:
Marcia rola a direção dos ventos do barco, enquanto Cleber revisa as cartas e Paul Gauguin retorna às suas antigas ilhas e escreve Noa noa.
Mas o Taiti não é a terra prometida, mas algumas ilhas da América do Sul.
Um livro de poemas nasce em meio à tempestade e Dany dança os dedos em uma pianola apressando o dia.
É assim que a vida é feita, colega poeta. Assim como uma forja, uma gráfica, uma oficina ou um barco amarrado ao coração sofredor de sua geração.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *